Este site usa cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website concorda com o seu uso. Para saber mais, leia a nossa Política de Cookies.

Sábado    por    Cofina Boost Solutions

Partilhe nas Redes Sociais

Entrevistas

Clusters são essenciais para o aumento da competitividade da economia portuguesa

Francisco Sá, presidente do IAPMEI, aborda os desafios da economia nacional, o impacto da pandemia de Covid-19 nas empresas e o papel que os 18 clusters de competitividade vão ter na recuperação da economia nacional.

Uma das competências do IAPMEI é o acompanhamento e a monitorização da atividade dos clusters de competitividade. Entre 2019 e o início de 2021, foram celebrados, entre o Ministério da Economia e os Clusters de Competitividade reconhecidos e com o apoio do IAPMEI, os Pactos Setoriais para a Competitividade e Internacionalização. Neste momento, existem 17 Pactos Setoriais assinados com 17 dos 18 clusters reconhecidos, sendo que o último foi concretizado no passado mês de janeiro com o Cluster da Vinha e do Vinho.

O presidente do IAPMEI, Francisco Sá, em entrevista, fala da importância de aumentar a competitividade das empresas nacionais e das novas oportunidades que estão a surgir no mercado.

Como está a reagir e a recuperar o tecido produtivo nacional dos efeitos da pandemia?

As empresas têm revelado uma enorme resiliência e capacidade de recuperação, apesar das limitações ainda existentes. Por exemplo, o INE divulgou recentemente que o Índice de Produção Industrial apresentou uma variação homóloga de 36,9% em abril (5,7% em março) face aos períodos homólogos de 2020. Apesar de os níveis se situarem ainda ligeiramente abaixo dos dados de 2019, parece existir uma tendência clara de retoma e de recuperação da atividade, em particular na indústria transformadora onde esta taxa de variação foi ainda maior situando-se em 44,0% (6,2% no mês anterior).

A pandemia acelerou a transição digital de muitos negócios e organizações. Este é um processo irreversível ou com a abertura da economia vamos regressar a modelos mais tradicionais de negócio?

A transição digital é um processo irreversível e apesar de ser expectável algum regresso a modelos de negócio mais tradicionais, importa perceber que os hábitos de consumo se alteraram durante a pandemia, sendo expectável que se mantenha uma procura crescente por produtos e serviços online. Também as empresas aderiram ao digital como forma de assegurar a continuidade dos seus negócios, situação que não se irá reverter.

Salienta-se que a transição digital era já uma tendência e a pandemia apenas veio demonstrar a sua importância e acelerar a adoção das tecnologias digitais por parte dos cidadãos, empresas e administração pública. Este movimento é irreversível.

Estão os decisores e gestores das empresas nacionais conscientes da necessidade de iniciar a transformação digital dos seus negócios e processos?

O dinamismo demonstrado pelas empresas e a capacidade de adaptação revelada por aquelas em que esse processo estava mais consolidado traduzem uma maior consciência da importância da transição digital junto da generalidade dos gestores.

Dos contactos que temos mantido, é clara a assunção por parte dos nossos gestores de PME que as questões em torno da transição digital representam uma oportunidade para as nossas empresas, as quais poderão avançar para ajustamentos estruturais com custos razoáveis, que doutra forma estariam apenas ao alcance das grandes empresas.

A qualidade da informação de negócio é um suporte essencial à melhoria de desempenho, vendas e resultados. As organizações geram e analisam uma enorme quantidade de dados provenientes de inúmeras fontes, como podem ser os seus próprios sistemas transacionais e operacionais; sensores; equipamentos inteligentes. Que medidas disponibiliza o IAPMEI para ajudar o tecido empresarial a fazer esta mudança de paradigma e a inovar na transição digital?

O IAPMEI tem vindo a apoiar cada vez mais esse processo. Por exemplo, nos concursos do Portugal 2020 mais recentes, foram introduzidos fatores de valorização e majorações que beneficiam os investimentos que incluem componentes de transformação digital. Isso permitiu apoiar mais de 2200 projetos de investimento mobilizando mais de 1,3 mil milhões de euros de apoios.

O próximo concurso do Sistema de Incentivos à Inovação vai continuar a priorizar investimentos relacionados com tecnologias digitais, pelo que as empresas ainda disporão de apoios do Portugal 2020 para este fim.

O PRR aloca 650 milhões de euros para reforçar a digitalização das empresas de modo a recuperar o seu atraso face ao processo de transição digital em curso, permitindo apoiar as empresas no reforço das competências digitais dos seus trabalhadores, na modernização dos seus modelos de negócio bem como os seus processos de produção, incluindo a desmaterialização dos fluxos de trabalho, na criação de novos canais digitais de comercialização de produtos e serviços, na incorporação de tecnologias digitais disruptivas nas propostas de valor das empresas e no estímulo ao empreendedorismo de base digital. Estes apoios serão disponibilizados no 2º semestre de 2021.

Os Pactos Setoriais para a Competitividade e Internacionalização, celebrados entre o Ministério da Economia e alguns dos clusters de competitividade reconhecidos pelo IAPMEI, têm como objetivo o desenvolvimento de uma economia circular e uma eficaz transição energética e ecológica, através da melhoria da envolvente regulamentar e legal das empresas. Quais os clusters que se encontram mais avançados nestas áreas?

Os Pactos Setoriais corporizam um conjunto de medidas e ações setoriais muito vastas, nas quais, naturalmente, o desenvolvimento de uma economia circular e uma eficaz transição energética e ecológica estão contempladas. Com efeito, os eixos de intervenção vão desde os desafios societais que atualmente se colocam às empresas, em particular às industriais, como sejam, a transição digital, a indústria 4.0, mas também passam pela capacitação do capital humano, a inovação e I&D e, ainda, a melhoria da envolvente regulamentar e legal das empresas onde pretendem atuar, visando incrementar os níveis de competitividade, de inovação e internacionalização das empresas portuguesas. A economia circular, a descarbonização e a transição energética são áreas transversais a todas as estratégias destes clusters, não sendo o objetivo único.

Pode dar alguns exemplos?

Praticamente todos os clusters têm projetos a desenvolver nestas áreas, não havendo propriamente uns mais avançados que outros. Existem, sim, uns que pelo setor que representam têm maiores desafios ao nível ambiental e energético. Por exemplo, o Cluster da Petroquímica, Química Industrial e Refinação está a prosseguir nesta área através de um grupo de trabalho, com vista ao diálogo a vários níveis, como a redução de custos energéticos, redução de barreiras à integração das energias renováveis, apoio a projetos concretos com recurso a fontes renováveis, entre outros.

Outro exemplo, o Cluster PRODUTECH, das tecnologias de produção, apresenta preocupações e está a trabalhar questões relativas à retoma de bens de equipamento e respetivas regras de funcionamento, tendo como base a economia circular.

O Cluster Têxtil: Tecnologia e Moda com o seu projeto Skills4Smart, que prevê a integração de aspetos de sustentabilidade e circularidade nos materiais e processos de produção.

Ou o caso do Cluster do Mar Português, que, através do seu projeto Valor Mar, está a desenvolver soluções tecnológicas inovadoras que potenciem a valorização e uso eficiente dos recursos marinhos através da integração das cadeias de valor, numa lógica de economia circular, articulando aquacultura, indústria alimentar, biomédica, farmacêutica e cosmética.

Ou ainda, as preocupações e projetos em desenvolvimento pelos clusters mais ligados à cadeia de valor da agricultura (Cluster do Vinho e da Vinha e Portuguese Agrofood Cluster), que se encontram a promover estratégias para uma gestão mais eficiente de recursos, desenvolvendo soluções que contribuam para a descarbonização, associada ao uso de tecnologias de informação, inteligência artificial, melhor gestão dos transportes e promoção do uso de equipamento ecofriendly.

De acrescentar ainda que, neste momento, existem clusters a preparar candidaturas a programas europeus na temática do Green Deal que endereçam grande parte dos desafios ligados à economia circular e à eficaz transição energética e ecológica.

Como é medido o resultado destes Pactos Setoriais para a Competitividade e Internacionalização?

Como é sabido, compete ao IAPMEI o acompanhamento e monitorização da atividade dos clusters de competitividade reconhecidos no sentido de analisarmos e acompanharmos a sua evolução em termos daquilo que são as suas metas e objetivos, mas também como facilitadores das dinâmicas colaborativas necessárias à implementação das ações dos clusters, nomeadamente na implementação das medidas inscritas pelos clusters nos Pactos Setoriais.

Por forma a agilizar esta articulação, criou-se uma Comissão de Acompanhamento dos Pactos Setoriais, presidida pela Secretaria de Estado da Economia, que tem como missão assegurar o acompanhamento e apoio na execução das medidas a desenvolver por cada cluster.

Assim, os resultados são medidos pela concretização das medidas que vão sendo executadas, sendo que o impacto destas é naturalmente verificado nos associados dos clusters e no setor que representam.

Que projetos diferenciadores estão a ser introduzidos nos clusters para aumentar a sua capacidade de inovação e aumento na cadeia de valor?

A proximidade dos clusters aos seus associados (empresas, associações empresariais, universidades e entidades do sistema científico e tecnológico) e as ações de interclusterização permitem que os processos de inovação ocorram no âmbito da atividade de eficiência coletiva. Aliás, existem estudos que mostram que as empresas integradas em clusters tendem a ser mais inovadoras.

Também aqui podemos dar alguns exemplos, sendo que deve ser relevado o facto de que todos os clusters que assinaram o Pacto Setorial incluíram um eixo de intervenção relacionado com o fomento da inovação, da I&D, de capacitação tecnológica e de transferência de conhecimento nos setores onde atuam.

Por exemplo, o Cluster Arquitetura, Engenharia e Construção criou um laboratório colaborativo para o ambiente construído do futuro, cujo objetivo é acelerar a transição digital e climática dos edifícios e infraestruturas, tornando-os mais adaptáveis, mais inteligentes, resilientes e sustentáveis. Ou o caso do Health Cluster Portugal, que criou um “subcluster” – HCP Smart Health Network – para promoção de atividades de inovação conducentes ao robustecimento do eHealth e dispositivos médicos. Ou ainda, o caso do Cluster da Aeronáutica, Espaço e Defesa com os projetos que têm em curso, que visam a transferência de tecnologia entre atores do setor.

Destaco ainda os projetos em consórcio de I&D do Cluster do Calçado e Moda, que se encontram a decorrer no âmbito dos novos materiais e calçado acabado. Ou ainda, a criação do Centro de Inteligência e Tecnologia para a Pedra Natural, criado no seio do Cluster dos Recursos Minerais, que, entre outras funções, engloba projetos e atividades de desenvolvimento tecnológico, serviços e transferência de tecnologia à indústria, assim como formação avançada e requalificação e ligação entre a academia e as empresas, com foco na inovação.

O que importa reter é que todos estes projetos e iniciativas contempladas nestes Pactos Setoriais poderão ajudar a capitalizar investimentos realizados e potenciar a penetração das empresas envolvidas em redes colaborativas internacionais de I&D.

Como vão beneficiar os 18 clusters de competitividade com as medidas do Plano de Recuperação e Resiliência?

No âmbito do PRR, foi realçado “o papel dos clusters na recuperação nacional”, afirmando a importância do posicionamento destes no novo ciclo económico e na capacitação para o desenvolvimento de produtos de alto valor acrescentado.

Por outro lado, o European Expert Group on Clusters destaca ainda a prioridade na adoção de políticas e medidas que ajudem os clusters a desempenhar um papel ativo, nomeadamente, liderando a transição verde, acelerando a transição digital e construindo resiliência para enfrentar desafios e ultrapassá-los de maneira sustentável.

Assim, consideramos estarem criadas condições, tanto a nível nacional como europeu, para que os clusters venham a assumir um grande protagonismo no novo ciclo económico que se avizinha e que sejam criados instrumentos e políticas públicas que permitam apoiar as suas estratégias e reforçar a colocação das empresas portuguesas nas cadeias de valor internacionais.

Sem prejuízo da sua eventual participação direta em algumas das Agendas para a Inovação Empresarial, os clusters estão já a ter um importante papel mobilizador das entidades que os integram por forma a explorarem oportunidades no quadro das diversas medidas do PRR orientadas para as empresas, de forma direta ou em articulação com outras entidades, nomeadamente as que integram o SNCTI.

Quais os apoios, instrumentos e programas que disponibilizam aos clusters de competitividade?

Ao nível de apoios públicos aos clusters, dentro dos mecanismos disponíveis no ainda atual quadro comunitário, estes podem ser no âmbito de apoios a ações coletivas, capacitação individual ou de atuação em rede, como por exemplo nas áreas da qualificação, internacionalização, transferência do conhecimento e programas mobilizadores. O Clube de Fornecedores da AICEP, a Rede de Fornecedores do IAPMEI, o StartUP Visa, o Tech Visa, o Fundo Valor 2, os programas relacionados com a melhoria da oferta formativa e, ainda, o conjunto de instrumentos de apoio a nível europeu no âmbito dos novos programas Horizonte Europa e o Single Market são instrumentos a considerar para apoio às várias iniciativas que os clusters dinamizam.

Importa ainda realçar que as atividades dos clusters não se deverão suportar e focar apenas em apoios financeiros, mas também no reforço do trabalho em rede, interclusters e intraclusters, e com outras entidades que podem trazer valor acrescentado para os atuais e emergentes desafios que se colocam à estrutura empresarial, quer a nível nacional, quer na esfera global.

Que novos mercados estão a dinamizar a atividade dos clusters?

Cada cluster, dependendo do setor que representa, apresenta as suas especificidades ao nível dos mercados onde atua. O que importa reter é que todos atuam em setores fortemente internacionalizados e que é essencial continuar a fazer esta aposta externa por forma a aumentar as exportações nacionais e a valorização do produto português.

Atendendo à taxa de execução do último quadro de apoios comunitários, é expectável que as empresas se encontrem em melhores condições financeiras para recorrer a estes apoios?

As empresas têm sido o motor da execução do Portugal 2020, mesmo com as limitações de intensidade de apoios que as regras europeias dos auxílios de Estado impõem.

A execução dos apoios do PRR e do Portugal 2030 continuará a passar em grande parte pelas empresas. É nossa expectativa que as empresas continuarão a demonstrar uma boa capacidade para recorrerem a esses fundos.

É possível ter uma economia competitiva cumprindo as metas ambientais propostas?

A transformação verde da economia é algo que não está dissociado da competitividade das empresas. Isto porque muitos aspetos relacionados com a sustentabilidade ambiental estão associados a novos modelos de negócio e novas oportunidades de mercado que traduzem um desenvolvimento de novas cadeias de valor. Exemplos deste processo são as plataformas digitais que promovem a partilha de recursos ou as cadeias de valor associadas à reciclagem ou às energias renováveis.

Por outro lado, a introdução dos princípios da economia circular permitem dissociar o consumo de recursos da produção de valor. Produzir valor com menos recursos é algo que promove a competitividade das empresas. Desta forma, as empresas que garantam níveis de eficiência elevados na utilização de recursos estão não só a ser mais competitivas, mas também a promover a sustentabilidade dos recursos. Novos materiais sustentáveis, reutilização de materiais, simbioses industriais ou processos produtivos mais eficientes e com menor impacto ambiental são fatores de competitividade para as empresas.