Este site usa cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website concorda com o seu uso. Para saber mais, leia a nossa Política de Cookies.

Sábado    por    Cofina Boost Solutions

Partilhe nas Redes Sociais

Imagem corporativa com serviço de A a Z
Notícias

Imagem corporativa com serviço de A a Z

Direcionada para a implementação de programas de imagem corporativa, a Apametal nasceu em Sintra há 43 anos. É hoje uma empresa de referência na sua área, sem nunca esquecer a terra que lhe deu berço.

Qualidade do seu produto e serviço, cumprimento do prazo e inovação tecnológica é aquilo que faz da Apametal uma referência na área de produção de reclamos luminosos, sinalética, expositores, EPI`s e sistemas de LCD/Led Digital.

Fundada em 1978, por Adriano Lourenço, o Grupometal sempre esteve direcionado para a implementação de programas de imagem corporativa. Hoje, os seus dois filhos fazem parte da administração do Grupo, levando a empresa ao avanço tecnológico e produtivo que lhe permitiu crescer ao nível de produto e processo.

“Através da aposta em inovação tecnológica e na investigação e desenvolvimento em novos produtos, somos uma empresa única na busca de uma variedade de produtos e capaz de satisfazer por completo as necessidades dos nossos clientes”, refere Alexandre Lourenço, CEO da Apametal.

Uma das preocupações a médio e longo prazo é acompanhar a evolução tecnológica e alcançar novos mercados. Para isso, o investimento em capital humano e em novas tecnologias é constante e uma prioridade para o grupo. “Há um cuidado diário em ter maquinaria de ponta, mas um cuidado maior de preparar o nosso capital humano para que possa evoluir em termos de formação técnica. Para nós as máquinas não substituem as competências desse capital humano”, garante o responsável.

Serviço chave-na-mão

A Apametal apresenta-se como uma empresa all-in-one. O seu projeto é diferenciador já que, além de produzirem o produto “de A a Z”, entregam e fazem a montagem. Também a preocupação com a sustentabilidade tem estado na base do desenvolvimento dos seus produtos, que acompanham essa evolução do reciclável, feitos com base em arroz, em matéria reciclada e sustentável. Por outro lado, todos os seus desperdícios são separados e reciclados, com o acompanhamento de parceiros que acrescentam valor nessa área.

“Para nós, a economia circular é muito mais do que o âmbito e foco estrito das ações de gestão de resíduos e de reciclagem. Pretendemos uma visão mais ampla desde do redesenho de processos, produtos e novos modelos de negócio até à otimização da utilização de recursos”, esclarece Alexandre Lourenço. Visam, assim, o desenvolvimento de novos produtos e serviços economicamente viáveis e ecologicamente eficientes, radicados em ciclos idealmente perpétuos de reconversão a montante e a jusante. Esta ação traduz-se na minimização da extração de recursos, maximização da reutilização, aumento da eficiência e desenvolvimento de novos modelos de negócio. 

Questionado sobre se é possível ser competitivo no mercado global cumprindo as metas de sustentabilidade que estão a ser propostas na União Europeia, a opinião não é otimista: “há imposições da União Europeia que tornam os produtos não competitivos em termos de preço em relação, por exemplo, à China. Não é possível sermos competitivos quando só a nossa matéria prima, por ser de excelência, tem um valor superior ao preço final de um produto fabricado naquele país”.

Existem, porém, formas de fazer frente a esta realidade como os clusters de competitividade, “pois juntam conhecimento e competências de mercado aliando parcerias e redes de empresas, entidades públicas e de suporte ao sistema de investigação e inovação da nossa empresa tornado os nossos produtos mais evoluídos e competitivos”. Assim como o acesso a fundos europeus que, para empresas como a Apametal tiveram “uma importância vital, pois permitiu a expansão da empresa a nível estrutural, económico, social, tecnológico, promovendo a modernização. Veio antecipar em mais de 10, 15 anos uma evolução que não teria sido possível sem esse incentivo. Temos hoje uma capacidade de resposta ímpar, na oferta e qualidade do nosso produto, capaz de competir com as maiores potências mundiais”.

Aproveitar oportunidades

O sucesso de uma empresa também se mede pela capacidade de enfrentar os desafios e a pandemia foi um teste exigente, ao qual a Apametal soube fazer frente, tornando a sua presença online mais forte e responsiva: “a loja online foi a forma de podermos fazer chegar a todos os nossos produtos de proteção, numa altura em que o país estava confinado”, continua o CEO da empresa. Mas não esqueceu a região onde se insere, desenvolvendo o projeto Apacare, que “surgiu da necessidade de ajudar a nossa comunidade em doações de viseiras produzidas por nós”, num movimento que não terminou aí.

“Depois disso a produção tornou-se uma forma de ajudar nesta situação que todos estamos a passar, surgindo novos produtos de proteção Covid”. Porque, quando se está há tanto tempo enraizado num local, o problema de um é o problema de todos.

Factos e números

Ano da fundação: 1978
Localização da sede: Rio de Mouro – Sintra
Fábricas/áreas de produção/ Local: Rio de Mouro - Sintra
Principais clientes: Setor Banca, Seguros, Distribuição Alimentar, Hotelaria, Ponto de Venda, Tecnológico, energia e Telecomunicações
Volume de negócios em 2020: €15.853.319
Peso das exportações em % da faturação: 4,5%
Presença direta em quantos países: 6
Principais mercados/países de exportação: Espanha, França, Reino Unido e Angola
Previsão do volume de negócios para 2021: €18.000.000,00
N.º de empregados: 180
N.º de empregos criados indiretamente pela ação da empresa: cerca de 50